Acontece no Gacc

Belivaldo Chagas recebe diretoria do GACC no Palácio dos Despachos

A diretora do Grupo de Apoio à Crianças com Câncer (GACC) solicitou uma reunião com o governador Belivaldo Chagas após o drama enfrentado por duas famílias que perderam seus filhos durante tratamento contra o câncer. As crianças necessitavam com urgência de plaquetas mas devido a falta de material do Hemose, não foi possível que a doação fosse realizada.

A reunião ocorreu no dia 18 de julho no Palácio dos Despachos em Aracaju, mas para a surpresa da diretoria do GACC, a assessoria de governador convidou também outras instituições que trabalham em prol de pacientes oncológicos.

“Cheguei na reunião cheio de esperanças acreditando que o governador fosse ouvir as nossas reivindicações principalmente sobre o tratamento da oncologia pediátrica e que saíssemos com respostas concretas. Esperei que o governador assumisse compromisso em atender as demandas solicitadas pelo GACC mas não foi isso que aconteceu. Vi apenas o governador reclamar demais da gestão passada que ela fazia parte. Enquanto isso os pacientes sofrem e muitos não resistem por falta de compromisso e de uma boa gestão. Precisamos de uma saúde de qualidade”, lamenta o supervisor de Comunicação Social, Fred Gomes.

O GACC entregou uma carta listando as problemáticas enfrentadas diariamente pelos pacientes, pedindo ajuda ao governador, ele recebeu mas propôs que toas as instituições se reunissem para apresentar na próxima reunião, daqui a 15 dias, para debater e analisar cada item ao lado do secretário de Estado da Saúde.

“Me comprometo em voltar a dialogar com vocês com calmas, mas como meu mandato começou há três meses eu não tenho conhecimento de muita coisa. Vou solicitar a presença do secretário para a gente avaliar e dar respostas sobre cada item”, disse Belivaldo Chagas.

A assessoria do governador ficou de agendar a data da próxima reunião. “Saí da reunião totalmente sem esperança e levo comigo o sentimento de incapacidade e tristeza. Foi mais um discurso para enrolar a gente mais uma vez. O GACC entregou uma carta com reinvindicações e ele sugeriu que as organizações se juntassem para levar outras. Pediu 15 dias para ter outra reunião. O estado tem o dever de oferecer uma saúde publica de qualidade porque os pacientes têm o direito de viver. A saúde pública está na UTI. Não existem politicas públicas voltadas para a saúde do estado e infelizmente acredito que os pacientes vão continuar sofrendo”, lamenta Fred Gomes.